browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O FUTURO DA LEITURA

Posted by on junho 11, 2013

Em recente viagem me deparei com a Revista UP editada pela Tap Portugal. Lendo ao acaso me deparei com um texto muito interessante de Sandro Mendonça sobre o futuro da leitura. Transcrevo a coluna em nosso blog para que você, nosso leitor, pense a respeito e tire suas conclusões. Boa leitura!

 

O Futuro da Leitura

Temos assistido a uma reinvenção do corpo humano como meio comunicacional.

            A revista que o leitor tem nas mãos é um “dispositivo”, ou “device”, como se diz agora. A página para onde o leitor está a olhar é um “ecrã”, um “interface”, afinal de contas. Nestes tempos de densa ecosfera digital em expansão estamos a reconsiderar o que pensamos sobre tecnologia e a sua relação com o mundo das palavras.

            Objetos como livros, revistas ou jornais são objetos analógicos. Estes são casos particulares de suportes tangíveis e tradicionais que dão apoio a essa atividade a que chamamos leitura. Pois, por acaso um livro em papel não se desliga quando não está ligado à tomada. Não está dependente de eletricidade. Estas são as vantagens de termos acesso a conteúdos sob a forma de um livro clássico. Contudo, para ser produzido um livro necessitou que muita tecnologia fosse canalizada para o seu processo de fabrico. Um livro impresso tem, portanto, energia embutida.

            O papel é uma janela onde estão estampados os signos que transmitem a informação. Uma folha impressa é uma superfície por onde os nossos olhos deslizam e na qual os nossos dedos tocam. As palavras estampadas nessa fina fatia de matéria são estáticas e a sua posição na página inamovível. Contudo, talvez por estarem inexoravelmente fixas e presas em páginas, umas a seguir às outras numa ordem pré-determinada, talvez por isso é que as palavras tiveram até hoje tão grande capacidade de libertar a mente em direções de imagens e significados tantas vezes não imaginadas pelos próprios autores.

            O objeto publicado é um mediador entre o autor e o leitor. Mas neste papel “o livro provavelmente transformou-nos mais do que qualquer outra ferramenta”. Quem o diz é Jeff Bezos, o empresário norte-americano da Amazon. A Amazon começou por ser uma livraria eletrônica de livros em papel e agora vê a suas vendas de livros eletrônicos a explodir. Curiosamente também, a Amazon vende esses livros preferencialmente para o Kindle. Estas palavras são proferidas em Out of Print, documentário acabado de estrear, narrado por Meryl Streep e realizado por Vivienne Roumani (uma antiga bibliotecária).

            Na era da produção digital os livros não são tanto escritos à mão: são digitados para dentro de ecrãs. Na era da reprodução digital os livros não são tanto fabricados: são replicados (duplicados por “copy & paste”, “download”, etc.) e aparecem à tona de ecrãs (computadores, smartphones, tablets, etc.) Nesta mudança mudam o modo de escrita e os modelos de leitura. Mas também mudam as atividades “em volta”, como sejam a indústria livreira, o negócio das livrarias, as funções das bibliotecas, etc.

            Numa carta a Clarice Lispector, o poeta Drummond de Andrade dizia em 1975: “Ler ou reler você é sempre uma operação feliz: descobrem-se coisas, aprimora-se o conhecimento das descobertas.” Esta carta está amarelecida pelo tempo, mas podemos lê-la todos onde quer que estejamos , pois está disponível à distância de um clique (aqui:bit,ly/16BYSTQ). Parafraseando o grande poeta português Mário Cesariny, a nova leitura não cavalga, “navega”.       

Revista UP nº 67, maio/2013 – Tap Portugal

Por Sandro Mendonça – Economista do ISCTE-IUL em Lisboa e Fellow do King’s College em Londres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

*
To prove you're a person (not a spam script), type the security word shown in the picture. Click on the picture to hear an audio file of the word.
Anti-spam image